Leuchtturm in Salvador da Bahia

A Bahia tem diversão e cultura para todos os gostos. Berço de grandes nomes da cultura nacional como Jorge Amado, listamos aqui 25 dicas sobre o que fazer e conhecer em Salvador. Divirta-se!

 

 

Se encantar nas ladeiras do Pelourinho
Considerado Patrimônio da Humanidade pela Unesco, o bairro histórico merece uma visita, principalmente às terças-feiras. Nestes dias os visitantes podem assistir a uma missa ao som de batuque na igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos. O agito continua com shows na Escadaria do Passo e no Terreiro de Jesus. No verão também acontecem apresentações do Olodum.

 

Curtir a noite do Bairro Rio Vermelho

Centro da boemia de Salvador, o Rio Vermelho é a pedida ideal para se tomar uma cervejinha gelada e saborear os melhores pratos da culinária local. Com uma vista privilegiada do mar de águas calmas o Largo de Santana reúne a bela igreja em homenagem à Nossa Senhora de Santana, de frente para o mar.

Balada na Borracharia

De dia funciona como uma borracharia e de noite a diversão lá dentro é ao som de muita música. O lugar é uma excelente opção para os adeptos de festas que só acabam ao nascer do dia. Muita black music, soul e músicas que foram sucesso entre as décadas de 70 e 90. No repertório, estão incluídas figuras como Tim Maia, James Brown, Stevie Wonder e Chico Buarque.

Bar do Pimentinha
Para quem gosta de baladas mais underground, esse bar, na Boca do Rio, é um prato cheio. Funciona apenas na segunda-feira, porque o dono, Pimentinha, é devoto de São Lázaro e Omolu, o orixá do dia.

Dançar no Beco da Off Club
É um dos points mais animados na noite de Salvador e está localizado numa via de apenas um quarteirão que concentra bares e creperias, que funcionam a partir das 20h das sextas-feiras e dos sábados. Homens e mulheres ficam nas mesinhas da calçada e aproveitam para apreciar a vista para o mar, já que a viela começa no trecho oceânico da praia da Barra.

Ver a cidade do Elevador Lacerda

O Elevador Lacerda, um dos marcos da capital baiana inaugurado em 1872 tem 72 metros de altura e liga a Praça Tomé de Souza (parte alta) à Praça Cairu, onde fica o Mercado Modelo. São quatro cabines, sendo que a 1 e a 2 são originais, utilizadas desde a inauguração. As de número 3 e 4 são da obra de 1930, quando a construção ganhou feições art déco. As viagens duram cerca de 30 segundos e transportam uma média de 20 mil pessoas por dia.

Apreciar a beleza da Igreja do Bonfim

Construída sobre uma colina, em meados do século XVIII. Destaca-se a imagem do Senhor do Bonfim, um crucifixo de ébano com adornos de prata, grande devoção do povo baiano.

Comer acarajé no Largo da Mariquita

Ponto de outro famoso acarajé e do ilustre Mercado do Peixe. O Mercadão, como é chamado, reúne inúmeras barracas de frente para o mar, de onde saem os melhores petiscos da madrugada. O Mercado é conhecido por ser o point da galera depois das festas, para degustar da culinária local, como o mocotó, a rabada ou mesmo a feijoada, e encerrar bem a noite.

Cultura no Solar do Unhão
O Solar do Unhão abriga o Museu de Arte Moderna da Bahia, reunindo mais de duas mil obras de pintores brasileiros como Di Cavalcanti, Portinari e Tarcila do Amaral. O píer ganhou um restaurante com mesas ao ar livre e apresentações folclóricas e musicais, além de título de um dos melhores pontos da cidade para apreciar o pôr do sol.

Fazer compras no Mercado Modelo

Construído em 1861, o prédio é um dos cartões-postais da cidade e abriga 263 lojas. Para os turistas é um prato cheio na hora de comprar artesanato e lembrancinhas. Mas no fundo os artigos são bem parecidos de uma loja para outra. No segundo andar há restaurantes e uma varandinha em que se tem uma bela vista da Baía de Todos os Santos. O subsolo, que teria sido habitado por escravos, apesar de constantemente alagado também vale a visita.

 

Tomar sorvete na Sorveteria da Ribeira

No bairro da Ribeira funciona há mais de 70 anos umas das sorveterias mais gostosas e tradicionais de Salvador. Lá é possível provar sabores que você sequer sabia que existia, como o natagoiaba, além de sorvetes de frutas típicas como biri-biri, umbu, cajá, graviola, etc.

Ver o Balé Folclórico da Bahia
No pequeno Teatro Miguel Santana, no Pelourinho, o grupo mantém o seu quartel general, onde os bailarinos ensaiam e também se apresentam para o público, geralmente repleto de estrangeiros. No repertório, apenas manifestações da cultura popular baiana, como o candomblé, a capoeira, o samba de roda e o maculelê, entre outros. É a união da disciplina da dança, da experimentação do teatro, e da liberdade de crenças e ritmos que só a Bahia tem.

Conheça o Beco dos Artistas
Já faz parte da história da noite de Salvador. Seus bares eram o ponto de encontro do povo da contracultura, doces bárbaros ou novos baianos, que circulavam pelo Teatro Castro Alves nos idos das décadas de 60 e 70. O espírito libertário talvez não esteja mais lá, mas o charme de seus bares ainda justifica uma visita.

Comer uma Moqueca baiana
A tradicional moqueca baiana tem o toque de dendê e a pimenta que a diferencia da capixaba. Essa iguaria da cozinha local pode ser provada em boa parte dos restaurantes da cidade, geralmente com a mesma fórmula, mudando apenas a variedade de frutos do mar.

 

Ver o ensaio dos blocos
No verão, há ensaios quase todos os dias da semana de diversos blocos para o Carnaval. Alguns têm dia e local fixo, como os do Olodum, que acontecem sempre às terças, no Largo Teresa Batista, no Pelourinho. É válido fazer uma pesquisa antes para saber o que pode encontrar.

Conhecer o Ateliê de Bel Borba

O artista plástico Bel Borba é um dos principais nomes da arte moderna e de rua de Salvador, já tendo exposto trabalhos em diversas cidades do Brasil e do mundo. Uma visita ao seu ateliê, no Pelourinho, é uma aula da boa receptividade local e um mergulho num mix de baianidade e urbanização características do artista.

Visitar o Museu de Arte da Bahia

Mais antigo museu do Estado, fundado em 1918, funciona hoje no Solar Cerqueira Lima. Destacam-se no acervo esculturas em madeira, barro e marfim, pinturas em azulejos e pratarias dos séculos XVII, XVIII e XIX, assim como peças do mobiliário baiano do mesmo período.

Passear pelo Farol da Barra
As grandes comemorações da cidade costumam acontecer lá, como o Reveillon. A Praia do Farol da Barra tem como destaque o Forte de Santo Antônio. Tem águas apropriadas para o banho e calçadão para caminhadas.

Ir na Feira de São Joaquim

Não se trata de um local de turismo tradicional, mas já ganhou sua importância na história da cidade e hoje recebe visitantes “alternativos”. Há mais de 40 anos no bairro do Comércio, numa área de 34 mil m², a feira, que se espalha por 10 quadras e 22 ruas, é o local onde os populares fazem suas compras e pechincham de verdade. Lá é possível comprar desde artigos de candomblé, temperos, artesanato, até itens inusitados como um bode vivo.

Jogar capoeira
O melhor lugar na cidade para apreciar a arte dos capoeiristas é o Forte de Santo Antônio Além do Carmo. A antiga prisão hoje abriga escolas de capoeira, tanto do estilo angola (mais lenta e presa ao chão) – como as de Mestre Curió e Pastinha, quanto a escola regional (mais rápida e de movimento aéreos), da qual Mestre Bimba foi um dos maiores defensores. Para assistir uma aula ou roda de capoeira, o melhor a fazer é entrar em contato com as escolas para saber os dias e horário de funcionamento.

 

Visitar o Dique do Tororó

Construído pelos holandeses na época da invasão a Salvador, no século XVIII, este espelho d’água de cerca de 110 mil metros quadrados sofreu diversas reformas com o passar do tempo. O dique foi tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional por ser o único manancial natural em toda a cidade de Salvador. Hoje é uma área de lazer, ideal para a prática de esportes, mas o que encanta mesmo os turistas são as esculturas de orixás de Tati Moreno. Iluminadas a noite, elas fazem do local um dos mais belos cartões-postais da cidade.

Curtir o Porto da Barra
Praia mais próxima do Centro, Porto da Barra tem águas limpas e mar calmo, o que faz dela uma das mais procuradas aos sábados e domingos. Outro atrativo é a iluminação noturna, garantindo o movimento até mesmo depois que o sol se põe. É indicada para a prática de esportes náuticos, como o windsurfe.

 

Acarajé no Rio Vermelho
Acarajé é o que não falta em Salvador mas para experimentar os quitutes preparados pelas baianas mais famosas da capital siga para o bairro do Rio Vermelho. No Largo de Santana, Dinha e Regina demarcaram seus territórios. Salvador não teria metade da fama que tem hoje se não fossem suas baianas de acarajé. Ainda que algumas delas já tenham falecido, o legado do acarajé permanece em suas famílias.

 

 

Dar uma volta no Salvador Bus
Um passeio confortável, em um ônibus de dois andares e com visão panorâmica de todos os pontos turísticos de Salvador, essa é a proposta do Salvador Bus. São cinco rotas diferentes que se cruzam, sendo uma delas noturna. Das diurnas, uma percorre todas as praias da capital, outra o centro histórico da cidade, outra vai do Bonfim ao Mercado Modelo e a última faz a rota chamada Orixás da Bahia.

 

Surfar na Praia de Jaguaribe
Localizada ao norte da cidade, distante 18km do centro, entre as praias de Piatã e Patamares. Jaguaribe é uma das praias mais frequentadas por turistas, principalmente na alta temporada. Fica também muito movimentada pela presença dos moradores e de surfistas.

 

Fotos: Turismo Bahia (http://www.flickr.com/photos/turismobahia)  e banco de imagens.

 

Leia Mais

Deixe uma resposta

Rua Oswaldo Cruz, 2040 - Aldeota
Fortaleza/CE CEP: 60125-150.
Central de Atendimento: (85)3466.6000
Fax: (85) 3466.6056 CNPJ: 11.828.753/0001-06
Bleez Agência Digital